Pular para o conteúdo principal

sob o olhar da eternidade

.
tentar um azul
escoltado por infernais

arriscar uma rota
até as estrelas

quem sabe escapar
à voragem do tempo

e salvar-se da sina
do que é o pó:

ser um assunto
para os desertos

sob o olhar
da eternidade

Comentários

"ser um assunto
para os desertos
sob o olhar
da eternidade"

Eis uma grande sacada. Essa coisa toda me faz pensar na sucessão do tempo, a própria renovação através de gerações e gerações. Somos o pó e a ele tornaremos para continuarmos nem que seja sob a condição de poeira pelos móveis de vida. Esse sentimento Lavoisieriano não vem à toa não, mas fico pensando nessa nossa grandeza relativa, pois, em uma noção de cosmo, de sentidos macros e tudo o mais, ainda reflito no fato de sermos o grão dessas imensas dunas que se movem a cada dia.

Esse poema é excelente, meu caro! Bravo!

Abração!
Leila Lopes disse…
Tentar azuis é a necessária busca diária de provocar o olhar atento da eternidade, um simples gesto de captar ou mesmo olhar divinamente para o céu.
Lindo tempo aqui.
Bjo
Analuka disse…
Quem sabe, saber transformar-se até mesmo em pó, azul e cintilante, eterno em sua aparente efemeridade...

Beijos alados, querido!
Lapa disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
adelaide amorim disse…
Héber querido, dá uma alegria incrível ler um poema como esse - e tantos outros - que você faz. E perceber que escapar à voragem do tempo seria mesmo um destino digno de que vê o mundo desse jeito: Tentando um azul.
Beijo beijo.
verabasile disse…
Lindo poema Héber!!!! Adorei!
Gostei tb da imagem q o acompanha, boa escolha!!
bjs
Caríssimo, seu versar me deixou sem palavras. Me permitiu um silencio momentâneo entre uma respirar mais atento e profundo. Depois um sorriso que diz"estou plena das sensações nesse momento".
Grazie per te.

Ps. Espero que me dê novamente a honra de tê-lo participando do Blog Coletânea Artesanal.
Bacio
Yuri Assis disse…
somos tão frágeis, mas tão eternos.
(alguns tentam a eternidade, outros se contentam com a superfície do que morre em si mesmo)
abraços!
Jacinta disse…
Gostei do teu poema. Na verdade, é muito bom navegar por esse mar e encontrar um porto cheinho de emoções como esse. Parabéns.

Jacinta Dantas
Analuka disse…
Aproveito para reler algumas coisas tuas, entre elas, este poema... e te pergunto: permitirias que eu o publicasse lá no meu blog, numa das próximas postagens?... Seria um prazer, penso também em colocar algo da Val e da Adelaide, vamos conversar. Abraços alados.

Postagens mais visitadas deste blog

Wordtrack for a long play

Na próxima quarta-feira, 07/06, às 21:00, farei a primeira apresentação do meu solo de spoken word Quem anda distraído não sonha acordado, no XIX Seminário de Línguas e Literatura do curso de Letras do UNASP, em Engenheiro Coelho.

O pocket show, que mistura alguns dos meus poemas e crônicas com músicas remixadas, seria lançado no dia 08/07 apenas, no Espaço Luzeart, em Mogi Guaçu, mas decidi fazer uma pré-estréia ao ser convidado para esse evento. A performance propõe, por meio de uma experiência estética, uma reflexão sobre a imaginação literária. O set list do espetáculo, vocês podem ouvir aqui.

Quem anda distraído não sonha acordado

Héber Sales


Muita gente diz: se você prestar atenção, vai perceber a realidade como ela é. Eu digo, porém, que se você de fato prestar atenção, primeiro, vai sonhar, e depois, se continuar atento, verá que a realidade e o sonho são feitos da mesma matéria.

Os que viajam com pressa não sabem disso. Para eles, a distância entre dois pontos é calculada em km ou minutos, elementos que da realidade nada têm. Não têm, por exemplo, aquelas quatro montanhas e três vales que separam a tua casa da minha. Se eles prestassem um pouco mais de atenção, veriam que a estrada, como a cidade, também conta com os seus quarteirões: depois de passar por três cumes, você dobra o último deles e chega onde eu moro.

Esse percurso pode ter os 23 km assinalados naquela placa oficial à beira do asfalto, ou pode ter muitos mais. Depende do estado de espírito de quem nele transita. A saudade, já descobrimos, costuma encompridar os caminhos. Também acontece de, por não desejarmos chegar logo, chegarmos mais rapidam…

A bronca do velho Buk contra a poesia

No dia 19 de maio de 1984, o poeta Charles Bukowski escreveu para William Packard, editor da New York Quarterly, uma carta* em que atacava com argumentos afiados a maior parte da poesia produzida no mundo até então. Sobraram poucas exceções. A bronca toda pode ser resumida em algumas poucas frases que copio abaixo.


"A poesia [que me mostraram na escola] simplesmente não era legal, era uma coisa falsa, não importava." "Os poetas que eram enfiados nas nossas goelas eram imortais, mas não eram nem perigosos nem interessantes." "A poesia nunca teve muitos atrativos, e ainda não tem. Sim, sim, eu sei, houve Li Po e alguns dos primeiros poetas chineses que conseguiam compactar grande emoção e grande verdade em poucos versos simples." "Não acho que seja uma virtude especial o fato de um poema não poder ser entendido." "A poesia pode ser divertida, pode ser escrita com clareza espantosa, não entendo por que precisa ser de outro jeito, mas é."…