Pular para o conteúdo principal

Natureza humana



1

Lampeja a minha noite
Um anjo a piscar o olho insone
Vem chamar-me à janela
Com doce falar de sonhos

Toma-me a mão e me leva
Muros não podem detê-lo
Faz-me um andarilho da lua
Ser como a luz da estrela

2

Já vem chegando a manhã
Logo a cidade desperta
"A noite é uma doce maçã"
O anjo convida a mordê-la

Sinto a manhã derradeira
Insisto com ele por que
O estranho me diz é apenas
A tua natureza humana
.

Comentários

Larissa Santiago disse…
que emocionante.
o caminhante da lua passeia pelas estrelas.
Héber Sales disse…
Que bom dividir essa emoção com você, Larissa. Abraços.
Querido,

Tanto o poema quanto a performance de Michael para Human Nature são perfeitos. O teu Natureza Humana tem um quê de onírico, do despertar da nossa condição para dentro do sonho das coisas singulares da vida.

Creia, emocionou-me muitíssimo ler os teus versos, ainda mais somados ao canto intenso de Michael, pelo qual sempre nutri admiração. Dele, carrego comigo uma espécie de memória afetiva, pois conseguiu inaugurar na minha vida uma revolução em torno das minhas percepções musicais. Instalou-se ali uma vanguarda no conjugar dos elementos sonoros advindos da black music e casados com a estética eletrônica que então se instaurara.

Human Nature, se não me engano, pertence ao disco Bad. Lembro-me de ouvir com exaustão os hits daquele álbum.

Fragilidade parece ser o termo usual para definir Michael Jackson. Mas, vá lá! Não é da natureza humana ser delicado e quebradiço???

Abração e obrigado por compartilhar comigo tamanha emoção!
Héber Sales disse…
Valeu, Fabrício!
Eu vejo o Michael frágil, mas vejo o Michael muito forte também, na sensibilidade e na intensidade com que viveu a sua condição humana.
Forte abraço,
Héber
Leila Andrade disse…
Héber,
é sem dúvida um vestígio de dia, um lampejo que jamais esqueceremos...
Fico feliz e emocionada por poder relembrar e compartilhar aqui espiando por sua janela sensível.

Beijo.
Val Freitas disse…
Fabrício resumiu muito bem tudo: Não é da natureza humana ser delicado e quebradiço?
quanto ao teu poema, considero a delicada forma como você evocou as imagens das pequenas grandes coisas que sem sombra de dúvida, povoaram a cabeça lírica do celebrado pelo poema. eu digo celebrado, não homenageado. acgredito em homenagens em vida, feitas nos aniversários. depois, tudo é uma celebração em nome de...
me convence e emociona um verso curto e muito preciso: Um anjo a piscar o olho insone.
quantos convites não estão pr aqui escondidos? sinais de que a natureza humana no poeta ultrapassa os limites banais do "sentirei falta". um beijo, obrigada por partilhar Heberito.
ADRIANO NUNES disse…
Héber,


Emocionante! Comovente! O que não pode a Poesia?


Abração!
Adriano Nunes
Héber Sales disse…
Leila,um vestígio que sobreviverá aos nossos dias, eu acho, e parte da nossa história, não é? Essa foi a primeira balada que eu dancei numa boate, colado à minha primeira namoradinha. Veja só. Beijo grande.
Héber Sales disse…
Val, minha irmã em armas, você tem razão: é celebração, não homenagem. Beijo estalado.
Héber Sales disse…
Adriano,

gosto muito daquela música do Lenine:

ninguém vai saber de nada,
e eu sei,
por qualquer poesia.

Depois de ler aquela entrevista contigo, eu sei que você sabe do que estou falando ao citar essa letra.

Abração!
Querido,

Uma correção no meu comentário: Human Nature pertence ao impressionante Thriller, e não ao Bad, como afirmei antes.

Abração!!
Nadja disse…
Nunca fui fã do Michael. Nunca li um poema seu. Quantas coisas incríveis podem acontecer na vida depois da morte (nossa ou de outrem)?
Nadja Fidanza.
Héber Sales disse…
Nadja, que bom você aparecer por aqui. A morte é mesmo um acontecimento incrível, que marca a nossa vida, mesmo quando (talvez até especialmente quando) tentamos negá-la. Abraços.
Héber Sales disse…
É mesmo, Fabrício, é de Thriller. Abração!

Postagens mais visitadas deste blog

O que é um autor

Um autor é apenas aquele sujeito que desconfia demais.

Ele desconfia profundamente de que as palavras correspondam à realidade - desconfia que a própria "realidade" não seja, de fato, o real.

Passa então a re-presentar a realidade e descobrir muitos outros mundos possíveis, a começar por ele mesmo, num movimento que faz nascer o autor como algo novo, diferente da pessoa física que escreve (obviamente, é preciso saber escrever).

Um sujeito assim é tão desconfiado que até das suas re-presentações de mundo, ele desconfia - daí o seu apego a gavetas e lixeiras, que é onde guarda a maior parte do que escreve.

O textão e o poema

Héber Sales



Ando cada vez menos à vontade para dar as respostas que as pessoas esperam de mim. Um aluno de produção textual pergunta-me quantas linhas deve escrever. O que dizer? Quantas você quiser, ora. Só não me faça perder o interesse antes do final.

A preocupação com a quantidade de linhas perturba igualmente as pessoas nas redes sociais. Algumas avisam constrangidas que estão postando um textão. Acho engraçado. Se a coisa for ruim, não serve como desculpa. Se for boa, ninguém vai se importar com o tamanho dela.

Na escrita criativa, textão ou textinho nunca foi uma questão crucial para quem é do ramo. E quando o texto é bem bolado, também não angustia os leitores.

Há ideias que rendem dois volumes (Dom Quixote), um poema do tamanho de um livro (Romanceiro da Inconfidência) ou 3 horas de filme (O Poderoso Chefão), e lamentamos quando chega ao fim.

Há ideias que se resolvem muito bem num episódio (San Junipero, na série Black Mirror ) ou num conto (O Perseguidor, do Cortázar), e se…