Pular para o conteúdo principal

Clichês, ansiolíticos e outras facilidades


Vou parar de fazer pouco caso, questionar e tripudiar de rótulos e clichês. Eles não merecem a má fama que comento. Devo reconhecer confortavelmente que sim, eles têm muita utilidade. Vou carregar alguns comigo por conveniência. Terei sempre esses bons ansiolíticos para distribuir aos companheiros de jornada, especialmente àqueles que caminham comigo não por sua livre escolha mas porque deram o azar de ter que compartilhar alguma obrigação com um notório ranzinza de bom humor.

Logo de manhã, se me responderem "tudo bem" e me perguntarem idem, não direi mais coisas do tipo "como de costume, nem tudo bem, mas por costume, tudo bem". É no mínimo desagradável para a maioria das pessoas, apesar de ser a mais pura verdade, ou talvez por ser exatamente isso - quem quer ser acordado de um sonho bom? Alguns indivíduos ficam levemente consternados e têm um tique nervoso na hora, outros ficam sem jeito, outros riem mas não sabem bem do que, talvez para parecerem espertos ou para não perderem a amizade ("não se deve fechar portas", "ninguém sabe o dia de amanhã", blá, blá, blá). Há inclusive quem pegue no seu pé e lhe acuse de ser um estraga-prazer. E o pior, lhe faça perder seu precioso tempo tendo que explicar o que o camarada não quer entender e até gostaria de silenciar se pudesse.

Não vale à pena tanto drama por causa de um simples rapapé. Nem mesmo aqui nesta crônica. Tenho mais o que fazer. Saco rápido o meu "bom dia, tudo bem", ponto, de praxe, tarja preta, pra boi dormir, e eles ficam alegres, e eles ficam satisfeitos, e eles ficam confiantes, e podem voltar tranquilamente ao seu tédio, e podem tomar as suas decisões como se estivessem fazendo escolhas de fato. E o melhor: me deixam ir catar a minha turma em paz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Wordtrack for a long play

Na próxima quarta-feira, 07/06, às 21:00, farei a primeira apresentação do meu solo de spoken word Quem anda distraído não sonha acordado, no XIX Seminário de Línguas e Literatura do curso de Letras do UNASP, em Engenheiro Coelho.

O pocket show, que mistura alguns dos meus poemas e crônicas com músicas remixadas, seria lançado no dia 08/07 apenas, no Espaço Luzeart, em Mogi Guaçu, mas decidi fazer uma pré-estréia ao ser convidado para esse evento. A performance propõe, por meio de uma experiência estética, uma reflexão sobre a imaginação literária. O set list do espetáculo, vocês podem ouvir aqui.

Quem anda distraído não sonha acordado

Héber Sales


Muita gente diz: se você prestar atenção, vai perceber a realidade como ela é. Eu digo, porém, que se você de fato prestar atenção, primeiro, vai sonhar, e depois, se continuar atento, verá que a realidade e o sonho são feitos da mesma matéria.

Os que viajam com pressa não sabem disso. Para eles, a distância entre dois pontos é calculada em km ou minutos, elementos que da realidade nada têm. Não têm, por exemplo, aquelas quatro montanhas e três vales que separam a tua casa da minha. Se eles prestassem um pouco mais de atenção, veriam que a estrada, como a cidade, também conta com os seus quarteirões: depois de passar por três cumes, você dobra o último deles e chega onde eu moro.

Esse percurso pode ter os 23 km assinalados naquela placa oficial à beira do asfalto, ou pode ter muitos mais. Depende do estado de espírito de quem nele transita. A saudade, já descobrimos, costuma encompridar os caminhos. Também acontece de, por não desejarmos chegar logo, chegarmos mais rapidam…

O que é um poema

Um poema é aquele texto cujo significado não pode ser dito a não ser daquela maneira, afirmou Ferreira Gullar nesta entrevista.

É uma tese ousada, que desafia o senso comum, tão acostumados que estamos a entender um discurso qualquer por meio de um outro que o explique, como se uma coisa valesse pela outra. Merece uma boa discussão.


Se aceitamos a ideia do poeta, podemos questionar de que serve a leitura crítica de um poema se o seu significado não pode ser expresso de uma outra forma. E o que dizer da tradução? Impossível.

Mas a definição do Gullar tem o mérito de revelar de que padecem os poetas em seus devaneios líricos: a troca de uma palavra apenas, uma só vírgula que mude de lugar, um ponto final que se ponha ou se tire, a recorrência de um som ao longo de um trecho, um verso com uma sílaba a menos, etc. - qualquer uma dessas pequeninas coisas podem alterar o significado de um poema.

De certo modo, essa não é uma experiência estranha às nossas conversas do dia a dia, quando bagu…